tpm_gulaEstou há algum tempo falando aqui sobre compulsão e me confessando uma compulsiva, então me interessei por descobrir mais sobre o assunto e partilhar aqui com vocês, já que recebi vários comentários de pessoas que sofrem do mesmo problema.

A compulsão

É um comportamento que se repete visando proporcionar alívio ou conforto emocional frente à sensação de ansiedade ou angústia. São considerados “mal adaptativos” porque a sensação de conforto ou alívio é passageira e após o ato temos uma sensação negativa, muitas vezes de “culpa” por não termos resistido à vontade de fazê-lo. Mesmo assim o sentimento positivo (alívio ou gratificação) continua mais forte, levando-nos a repetí-lo.

Funciona mais ou menos assim: eu tenho um problema emocional ou estou ansiosa por algum motivo; para aliviar essa sensação vou à loja e compro mais um celular novo. Fico mexendo na minha recente aquisição, toda animada e até “esqueço” aquela sensação negativa que me fez ir às compras, mas passado esse primeiro momento eu começo a me sentir culpada porque não preciso do celular (já tenho outros), talvez essa despesa vá comprometer meu orçamento, etc., etc.

Se eu ficar ansiosa ou angustiada com a culpa irei novamente às compras e provavelmente voltarei para casa com uma câmera nova, e recomeço o círculo: culpa, ansiedade, compras, prazer, culpa, ansiedade, compras…

Causas

As causas podem ser diversas (predisposição do indivíduo, aprendidas no seio da família, etc.) mas trata-se de um mecanismo mal adaptado de enfrentamento de sentimentos negativos (tensão, angústia, ansiedade, etc.) e frequentemente esse tipo de comportamento provoca problemas familiares, econômicos, sociais ou até ocasionando doenças, como no caso de pessoas que ficam ansiosas achando que vão engordar e provocam o vômito (não é o meu caso, graças a Deus).

Consequências

Esse comportamento pode progredir, tomando boa parte do cotidiano da pessoa e tem um nome até simpático (TOC), se bem que as consequências não são tão simpáticas assim. Em casos mais graves a pessoa torna-se dependente desses comportamentos repetitivos, comprometendo sua capacidade de levar uma vida “normal”. Uma pessoa que lava as mãos várias vezes por dia, ou antes / após certas ocasiões, como se fosse um ritual, pode adquirir outras “manias” que multiplicando-se irão tornar sua vida um inferno, ou pelo menos ela será a pessoa mais esquisita do mundo, na opinião dos que a cercam. Sabemos também que essas manias incomodam as outras pessoas, se forem levadas ao extremo.

Tipos de compulsivos

Jogar compulsivamente – Quem joga compulsivamente poderá ter sérios problemas familiares, econômicos e profissionais, uma vez que toda sua atenção está voltada para o jogo: jogadas futuras, quanto irá ganhar, onde conseguir dinheiro para jogar, e assim por diante.

Atividade física compulsiva – pessoas com complexo de feiúra ou que não se sentem dentro do “padrão” podem sentir-se relaxados com exercícios físicos a princípio, mas quando essa atividade se transforma em obsessão, poderá prejudicar o desempenho de outras atividades, bem como a saúde física da pessoa.

Comprar compulsivo – a pessoa precisa comprar para sentir-se bem, mesmo que depois se arrependa. O consumo em si já é suficiente para “aplacar” pelo menos temporariamente a compulsão, se vamos ou não usar o que compramos não entra na história.

Trabalhar compulsivo – o objetivo principal seria obter sucesso profissional, status, manter-se. O trabalho pode ocupar a mente e o lugar de sentimentos e relacionamentos, com os quais talvez o trabalhador compulsivo não consiga lidar. Sente-se seguro e obtém gratificação através do trabalho, então continua trabalhando cada vez mais, deixando de lado a vida social e o convívio com a família. O trabalho acaba funcionando como um “escudo”, que além do mais é fortemente enaltecido pela sociedade.

Comer compulsivo – comer para saciar a fome também dá algum prazer, e o compulsivo “compensa” frustrações e inadequações comendo. A anorexia e a bulimia são outros comportamentos compulsivos relacionados à comida, as vítimas são pessoas excessivamente preocupadas com o corpo ou com sua “imagem” frente aos outros e já se fala em “epidemia” quando se trata desse assunto, tão grande é o número de pessoas que têm esse tipo de comportamento.

Esses são os tipos principais, mas todos nós temos nossas “maniazinhas” (como as chamamos) como voltar da esquina para verificar se a porta está mesmo trancada, levantar à noite para ver se o gás não está vazando. O importante é perceber quando essas manias estão dominando você, transtornando seu cotidiano, prejudicando outras atividades, incomodando as pessoas que convivem com você.

Como a compulsão é gerada por um outro conflito, se tornar-se grave ou atrapalhar sua vida seria uma boa ideia procurar um psicólogo para atacar o mal pela raiz, aprendendo a lidar de outra forma com emoções ou situações que provocam a compulsão.

Se não tratada, a compulsão deixa de ser “uma mania esquisita” para tornar-se uma doença grave, que isola suas vítimas que passam a viver num círculo vicioso, totalmente dependentes de suas compulsões.

Caso queira saber mais sobre o assunto, um bom filme é Melhor é impossível, com o Jack Nicholson – que inclusive ganhou um Oscar por sua atuação.

Outra coisa interessante que encontrei em minha pesquisa foi a página FAMOSOS COM TOC, onde além de citar os famosos que sofrem ou sofreram com essa “praga” também há alguns exemplos do que é e do que não é TOC.

*TOC = Transtorno Obsessivo-Compulsivo

Pelo menos por enquanto meu problema não chega a tanto e está mais ou menos sob controle no momento.

florreada azul

About these ads